Para aqueles que estão visitando, sejam bem vindos!

Esse blog nasceu da necessidade de praticar os atos de escrever e refletir, bem como da vontade de compartilhar pensamentos e ideias.

Confesso que não é a primeira vez que tento manter um blog. A tentativa, aliás, durou pouco tempo... Resolvi tentar de novo, porque fiz o propósito de escrever com mais constância.

Nisso já vejo uma primeira mensagem que quero deixar para aqueles que por aqui passarem:

"Comece de novo! Faça de cada dia uma nova oportunidade para inovar, crescer, aprender e criar"

sexta-feira, 27 de março de 2015

1 espectadora satisfeita, 2 diretores criativos, 3 + lados de uma história

Faz tempo que não escrevo sobre filmes! Não sei exatamente porque, afinal, tenho assistido muitos, como de costume rs. Mas acho que o que faltava era exatamente o que encontrei nessas duas produções das quais resolvi falar. Bem, como sempre pensei e continuo pensando, filmes representam um gosto muito pessoal, que pode despertar impressões e relações diversas naqueles que assistem. As qualidades que encontrei em "Boyhood" e "The disappearance of Eleanor Rigby" eu descrevo a seguir, já me desculpando se por acaso você assistiu ou assistir um deles, e discordar totalmente do que irei escrever... rs
Para contextualizar devo dizer que eu amo cinema! Adoro tipos e gêneros variados de filmes. Gosto muito dos filmes blockbusters, gosto dos filminhos clichês, das trilogias épicas, dos heróis, das realidades futurísticas e dos que retratam a sociedade... Mas eu amo mesmo os filmes que conseguem tocar sentimentos e questionamentos do ser humano. Aqueles filmes que não tem reviravoltas espetaculares, que não tem explosões e perseguições que tiram o fôlego, mas que vão fundo naquilo que é real para todos: vida, duvidas e busca. Aqueles filmes com diálogos longos, sensíveis, simples ou complexos. E esses dois me ganharam nessa categoria! Devo dizer que quando assisto filmes assim, fico sorrindo por dentro diante da confirmação que realmente as pessoas não estão estéreis como a tendência negativa das massas querem nos convencer. Quando assisto filmes assim, me convenço que a beleza do ser humano de refletir sobre as pequenas coisas, ou as grandes crises, existe e pode ser retratada no cinema! Existe criatividade, sede, complexidade e esperança. Como pode-se ver, nessa parte dessa postagem você leu o testemunho de uma espectadora satisfeita, bem satisfeita rs. Agora vamos ao que interessa, os filmes e seus respectivos diretores criativos.

The Disappearance of Eleanor Rigby | 2013/2014 | Ned Benson
Dois lados do amor (no Brasil) | Tradução bem pobre do título, na minha humilde opinião

O filme escrito e dirigido por Ned Benson tem como protagonistas o casal Eleanor (Jessica Chastain) e Connor (James McAvoy). Esse jovem casal novaiorquino está tendo dificuldades em seu casamento por causa de um acontecimento trágico que desequilibrou emocionalmente e psicologicamente os dois. Não vou dizer aqui o que aconteceu, mesmo porque nem assistindo o filme você verá diálogos explícitos sobre o que realmente aconteceu... Essa é uma das belezas do filme. Algo aconteceu! Mas o foco não é o fato, o foco é como os personagens lidam ou evitam lidar com os resultados dele.
Eu estou falando aqui de 'um filme', mas na verdade, são 'três filmes'! Isso mesmo, três! Aí entra a criatividade de Ned Benson, um cara que eu nem conhecia e que em rápida pesquisa online, descobri que esse foi o seu primeiro projeto de longa metragem! Devo dizer, parabéns pela estréia Ned! Acontece que esse diretor teve a ideia de transformar seu 'um filme' em 'três', explorando a ideia que em relacionamentos, especialmente os amorosos, existem sempre perspectivas diferentes sobre uma mesma história. Benson lançou então, o mesmo filme em três versões: Him (Ele), Her (Ela), Them (Eles). A construção das diferentes versões é bonita por respeitar esse olhar pessoal dos personagens e porque, mesmo as cenas que convergem, são mostradas em ângulos diferentes. A versão 'Eles' é a comercial, nela obviamente, está a combinação das outras duas versões. Na minha opinião a versão comercial é a menos interessante. As versões 'Ele' e 'Ela' tem cenas extras, que dão mais sentido à trama e procuram permanecer fiéis à personalidade e sentimento do personagem explorado. 
Para levar quem está assistindo à um mergulho no sentimento humano, o filme conta com cenas bonitas, de poucas palavras e gestos muito significativos; com cenas em flashback mostrando como Eleanor e Connor foram ou são apaixonados; com cenas com diálogos filosóficos; com cenas de conversas onde as palavras tentam explicar, descobrir e aliviar os sentimentos de duvida e desespero. O filme fala de amor, de dor, de superação, de fuga. Fala de tentar, de falhar, de desistir, de recomeçar. Em resumo, o filme, ou os filmes, tentam captar esses momentos da vida que nos fazem tomar decisões nada fáceis. Adorei a interpretação de Jessica Chastain e James McAvoy, os outros atores não são muito conhecidos, e assim como a escolha do elenco, a trilha sonora também segue uma linha meio 'alternativa'. 
The disappearance of Eleanor Rigby é bonito, simples e sensível.

Boyhood | 2014
Boyhood - Da infância a juventude (no Brasil)


Filme escrito e dirigido por Richard Linklater. A história de Boyhood narra a vida de Mason (Ellar Coltrane) e sua família. E você poderia pensar, e daí? O ponto é que a produção levou 12 anos para ser concluída, isso porque o criativo Linklater, quis usar os mesmos atores e mostrar da maneira mais realista possível, o crescimento e a evolução dos personagens e de suas histórias. O enredo não traz nada de muito fantástico, estamos assistindo a vida de um menino, que tem pais divorciados, que aprende, vive, sonha e cresce. O filme Boyhood transforma uma vida simples em uma aventura interessante e intrigante. 

Um dos aspectos que mais gostei do filme foi o cuidado com a fidelidade com os acontecimentos contemporâneos. Vemos referências da situação política do país, a evolução dos vídeo games rs, as músicas populares de cada momento, os livros populares de cada momento. Há referências de cultura popular que passa por Bitney Spears, XBox, Harry Potter, tecnologia kinect, Saga Crepúsculo, Lady Gaga, Facebook... E mais, eles mencionam Star Wars pelo menos duas vezes =) ... Ponto para eles!!! 
Mason, o protagonista, não é um menino excepcional. Ele tem sonhos e talentos, mas não é um gênio! O aspecto de Mason que eu mais gosto, é sua sensibilidade e sua busca por descobrir quem ele é e o que quer fazer com sua vida... Acho que tendo o pai que ele tem, interpretado pelo ótimo Ethan Hawke, fica meio que fácil crescer com um espírito reflexivo rs. A parceria do diretor Linklater e do ator Hawke já é atinga... Sempre seguindo essa linha de filmes reflexivos (Before Sunrise 1995, Before Sunset 2004, Before Midnight 2013, que também adoro). Seria injusto não mencionar também a mãe de Mason, interpretada por Patricia Arquette, que ganhou o Oscar de melhor atriz coadjuvante por esse trabalho... Falando em Oscar, ainda não acredito que Richard Linklater não ganhou o de melhor diretor!!! A produção foi indicada à 5 Oscars, inclusive melhor filme.
Boyhood é de uma sensibilidade muito bonita! A maneira que o jovem Mason gosta de fotografia, de captar 'o momento', do como ele observa os acertos e erros dos pais e mesmo assim consegue construir uma personalidade própria, o significado dos presentes que ele ganha, do como ele se expõe à diferentes realidades e oportunidades na infância e adolescência... É impossível não se identificar com pelo menos um aspecto! Além de tudo isso, adorei a trilha sonora. Boyhood é original, íntimo, belo, e profundo de uma maneira sútil e simples.

---

Agora que já cobrimos os pontos 1, 2 e 3 do título dessa postagem, é hora do " + "... As curiosas semelhanças!

+ Os dois filmes tem pouca ação e muito diálogo;
++ Os dois filmes não têm aquela conclusão fechada e direta;
+++ Os dois não entram na categoria 'filme típico', em nenhum sentido.
++++ Os dois fazem explícita referência aos Beatles! Eleanor Rigby é o nome de uma canção da banda. Em Boyhood, Mason ganha no seu aniversário de 15 anos, um CD dos Beatles de seu pai, o fato especial é que seu pai organizou e selecionou as faixas em uma ordem e lógica singulares. Ambas referências são tratadas nos filmes;
+++++ Como escrevi acima, ambas produções tiveram um diretor que também escreveu o roteiro.
++++++ Ambos posters oficiais mostram pessoas deitadas na grama hahaha



E devem ter mais semelhanças, que minha limitada capacidade de relações deve ter deixado passar... Eis aí mais uma beleza comum aos dois, sei que se assistir novamente, irei descobrir algo novo ;) 

quinta-feira, 19 de março de 2015

Uma ideia, uma música, um café, um futuro

Olhava na tela o arquivo ainda em branco. Retorcia-se na cadeira tentando parecer bem-sucedido, não sabia para quem ou para quê, talvez para si mesmo. Não entendia porque estava tão travado... não era isso que queria? 

Era jovem, havia iniciado sua faculdade. O trabalho que o travava naquele momento era o primeiro que iria fazer. Precisava discorrer sobre 'perspectivas de qualidade vida e futuro de sucesso no mundo de hoje tendo em vista algumas correntes filosóficas que estava estudando'. Com leve desapontamento lembra-se que havia se gabado em sala com quem estava em volta, não lembrava quem... O fato é que havia se gabado dizendo que o trabalho era ridículo, que esperava mais da esfera acadêmica...

Pegou seu computador, foi àquele café que gosta de ir, colocou fones de ouvido, e ouvia Chopin tocando piano. Gostava daquele piano, suave e meio triste... Triste não era bem a palavra, não sabia definir, mas sentia que aquilo combinava com o momento. Assim como, o copo de café, a mesa daquele lugar com tons escuros, luminárias bonitas, sofás e pessoas pareciam combinar... Combinar com seu arquivo em branco?

Frustração! Era isso que sentia agora. De repente começou a se questionar se havia escolhido o curso certo, se havia escolhido a cidade certa. Só o que fica muito claro antes de sua decisão era a vontade de sair de casa. Foi precipitado? - Não! Balançou a cabeça desaprovando e afastando de si aquele pensamento. Enfim, era essa sua realidade agora e tinha que lidar com ela. E verdadeiramente o novo, o desafio, a independência, o incerto eram bem estimulantes. Havia um mundo de possibilidades. Estava em uma boa universidade, ali havia possibilidades de pesquisa científica, estágios, intercâmbios e mais... Mas se não conseguia escrever uma porcaria de trabalho introdutório como poderia sonhar em conseguir algo assim? 

Desafiando o arquivo em branco estala os dedos e escreve: "São numerosas as possibilidades de...". De o que? Parou, e o pensamento foi longe. Possibilidades, como as que analisava dia e noite antes de vir parar nesse curso e nessa cidade. Nunca entendeu porque as pessoas eram empurradas tão cedo a esse tipo de decisão. Estava preparado? Com o rosto subitamente empalidecido lembra-se do grande desconforto de seus pais a respeito de sua decisão. Lembra-se das inúmeras orientações e súplicas de sua mãe para que "não esquecesse quem ele era". Quem eu sou! Hum, um pensamento útil se falamos de filosofia, o mais clichê de todos. Mas ainda nenhuma ideia... 

Preso ainda no pensamento sobre os sermões de seus pais, pensa como seria divertido se eles soubessem o que dizem esses filósofos sobre os valores que eles sempre defenderam... Seria divertido ver o choque no rosto deles! Ahh nem tanto, seus pais eram pessoas esclarecidas, já sabiam dessas opiniões e nunca se viram desmoralizados por elas... Talvez fosse isso que o estivesse travando, as teorias em que deveria de basear eram contrárias ao que havia vivenciado até então. Será? Talvez fosse apenas um conflito de ideais. Absurdo! Não poderia deixar que isso fosse estritamente sobre sua experiência pessoal, tinha que ser mais... flexível?

Revisando alguns pontos daquelas teorias em que deveria se basear reafirmou o quanto discordava de tudo aquilo. É claro que haviam pontos obscuros, abertos para discussão, mas em uma visão ampla: discordância. O piano de Chopin estava especialmente lindo e melancólico agora... Gostaria de ter aprendido a tocar piano! Hum talvez ainda aprendesse... A verdade é que tinha essa ideia fixa que era muito velho para começar a aprender. Mas tinha outras metas em mente, muitas, muitos sonhos e planos. Sorriu... Seu sorriso era melancólico como a música que ouvia. Será que conseguiria fazer tudo aquilo que sonhava? Era realmente algo para se questionar, principalmente se considerasse que alguns de seus planos eram totalmente contraditórios à outros... Depois de alguns instantes de pensamento vago, percebeu que Chopin não estava mais tão melancólico, e ele decidiu não estar também! 

Qualidade de vida e futuro! Qualidade de vida e futuro? O que tinha a dizer sobre isso? E mais, o que tinha a dizer sobre isso à luz desses filósofos? A verdade é que eles não conferiam nenhuma luz. Não colaboravam muito com sua linha de raciocínio... Sorriu pensando que sua mãe diria: "Bravo"! Desde que havia chegado ali via tantas coisas que o faziam questionar os valores que tem, ou tinha, ou que tem ainda... É claro que não saía por aí comentando sobre suas opiniões, afinal, as pessoas são livres para fazer o que querem, não é? Mas algumas atitudes o afetavam mais do que gostaria. Em sua cabeça parecia tão simples que as pessoas não deveriam fazer coisas estúpidas que levam à desvalorização de si mesmas e à sucessão de eventos sem sentido. Opa, seus pais ficariam felizes de novo...

O fato é que se sentia profundamente privilegiado por ter crescido em um ambiente que lhe mostrava valores, que inspirava sonhos e metas, que tinha regras, bem irritantes às vezes, mas que o ajudaram a refletir e entender muitas coisas. Entendia que isso não era muito comum hoje em dia. Tudo é moderno e permitido. Nunca foi um perfeito obediente de regras, sempre questionou e lutou, mas sempre encontrou espaço para ouvir e ser ouvido. Achava que todos mereciam essa chance... mas afinal, o que tinha ele a ver com todos? Nada! Nada?

Mas não podia negar que era meio triste. Estava tão ansioso pela faculdade, pela vida adulta, e a maioria do que via lhe parecia perda de tempo. De repente ouvia em sua cabeça, as vozes dos dois caras com quem estava dividindo o apartamento: "Relaxa"! De certa forma compreendia que sua atitude e negação à certas coisas incomodava os outros. Não queria incomodar, queria ser 'cool', mas não queria deixar de ser quem era. Isso era tão irritante.

Festas e porres, relações casuais e total despreocupação com quase tudo, a não ser aparências. Nada disso o seduzia muito. É claro que algumas facilidades que já existiam antes e que se tornaram mais fáceis ainda eram bem interessantes... Sorriu, um sorriso malicioso. Parou. Não era isso que queria. O que queria então? Qualidade de vida e futuro de sucesso? Riu novamente. O problema é que as tendências que via ao seu redor e as ideias apresentadas por aqueles caras que ele tinha que estudar não estavam em consonância com o que imaginava ser bom... Chopin estava em consonância com o que estava sentindo agora - ele riu. Hum e aquele café também! Que havia acabado por sinal. Levantou-se e comprou outro. A moça que o atendeu tinha um sorriso bonito, ele a via ali regularmente, e gostava quando ela o atendia. 

De volta ao arquivo em branco! Totalmente em branco porque já havia apagado as poucas palavras que escreveu. Sentiu falta de casa, das promessas de futuro luminoso, do bom e do belo de que ouvia falar e experimentava em sua pequena cidade, nos círculos que frequentava. Estava tão longe de lá agora! Estava longe das pessoas queridas, dos aromas familiares, das conversas sobre o desconhecido. É certo que ele vivia o tal desconhecido agora, e não lhe parecia tão maravilhoso como imaginava. É claro que já conhecia todas essas realidades, esses conceitos que agora estuda, essas tendências que testemunha e que estiveram sempre ao seu redor. E quando não estavam ao seu redor estavam estampadas em capas de revistas, em jornais e programas, em modas e estilos musicais. Afinal de contas, não era nenhum alienado! Nada disso que o incomodava era surpresa, e então, por que o incomodava mais agora?

Talvez porque agora se sentia mais pressionado a se deixar levar pela maré que o circundava. Ahhh... Que irritação! Ainda bem que o café tinha um efeito de consolação impressionante. Pensou em seus sonhos, nas razões que o levaram até ali e nas teorias em que deveria se basear para escrever. Ninguém disse que ele não poderia discordar daqueles filósofos! Aliás, somente esse pesamento já o encheu de esperanças. Mas ainda não queria que seu texto fosse muito pessoal, não queria que fosse simplesmente algo sobre si... Refletindo um pouco, levantou as sobrancelhas e torceu a boca, e concluiu que não era definitivamente somente sobre si! Percebeu que o que pensava e acreditava eram realmente propostas para todos, especialmente para aqueles que estavam em seu convívio ultimamente. Ele acreditava naquilo! Acreditava em sua eficiência! Acreditava no luminoso, no bom, no belo. Sorriu...

Tomou mais um gole de seu café, percebeu que Chopin tocava mais animadamente seu piano, esticou os braços para frente, e com brilho no olhar e dedos rápidos, começou a escrever.   

terça-feira, 3 de março de 2015

Sobre o que não deve ser exclusivo

Starry Night | Vincent Van Gogh | 1889

Nascia de uma dor estranha, de uma vontade de gritar. Mas, calma, não era nada negativo. Pelo menos achava que não. Pensava e sentia tanta coisa ao mesmo tempo, e o maior desejo era, que no meio daquela turbulência, encontrasse sentido e paz.


Ultimamente andava pensando muito no como nossas atitudes afetam e causam respostas do outro e do mundo. Pensava: "Como têm ainda coragem de não acreditar em mudança, se eu a vejo tanto e com tanta frequência"? Não era possível que isso fosse uma graça exclusiva! Não mesmo!

Pensava na beleza do emocionar-se e de emocionar-se com a beleza. A beleza que chega até a constranger... Beleza do puro, beleza do som, beleza do outro, beleza dos sentimentos, beleza das palavras, beleza das atitudes, beleza das lutas nobres, beleza da superação, beleza do simples, beleza do que inspira! Quanta beleza! Não enxergam e não percebem? Não pode ser graça exclusiva! Não mesmo! 

A dor estranha era como de algo que queria ir ao encontro. Ao encontro do que? Ao encontro de quem? Era uma certeza que queria explodir, que queria transbordar, que queria ter voz, que não cabia onde estava. Aquilo precisava fluir e dar vazão à todo o conteúdo que tinha, à toda a potência que vinha de algum outro lugar. Sabia que vinha de outro lugar, aceitava que não lhe pertencia. E que certamente não era graça exclusiva! Não mesmo!

Era algo que fazia vislumbrar em si uma pequenez imensa, com o perdão do paradoxo. Nunca tinha sido tão linda tamanha insignificância. Era um reconhecimento sobre si que tornava tudo até engraçado, que gerava uma liberdade extasiante. Nada! Pequenez e insignificância benditas! Será que era graça exclusiva? Não mesmo!

Perdia-se nas possibilidades. Um suave e profundo mergulho em si. Possibilidades para agora, para amanhã, para sempre. Meio avessa à insignificância era essa certeza da possibilidade; isso se explicava totalmente pela aceitação, de que era a dor estranha que dava força à tudo. Era ela que movia, que fazia enxergar o possível, o belo, o simples, o novo, o desafio, o tudo, o nada, o outro, todos. Tomara que não seja graça exclusiva! Não mesmo!

Isso fazia suspirar, dava uma sede, dava uma vontade de sorrir, de chorar, de ir à todos os lugares, de ficar onde mais amava, de ver mais mudança, de ver mais beleza, de se emocionar de novo, de aprender, de deixar que a dor estranha crescesse e fizesse o que bem entendesse. Restava o pensamento de que aquilo jamais deveria ser uma graça exclusiva! E isso gerava um compromisso de dividir... E como se divide uma dor estranha? Talvez da mesma forma que adquiriu-a? Pensava: "Mas eles têm medo da dor! Esse medo que os tornou fracos, cegos e prisioneiros. Quisera soubessem que a dor é só parte do processo, quisera ajudá-los a deixar que a dor estranha os tomasse, mudasse, fortalecesse, fizesse enxergar e libertasse". Compreendia o medo, porque também sentia. Compreendia a fraqueza, a cegueira e a prisão, porque tudo isso lhe era muito familiar. Porém a dor estranha superava tudo! O que fazer? 

Sabia, com certeza, que isso tudo não deve ser exclusivo! Não mesmo!


terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Minha Amiga


Faz tempo que eu disse para Maria que queria escrever sobre ela. Não que ela tenha pedido, porque ela é humilde demais para isso, e não que ela precise, porque afinal, seu testemunho já diz ao mundo tudo que ele precisa saber ao seu respeito... Por que então?

Simplesmente porque eu preciso falar dela. Preciso falar da amizade que me edifica em Deus. Preciso falar da presença, da devoção, do auxílio, que a cada dia se torna mais essencial e especial na minha vida.

Não pretendo aqui levantar evidências sobre os dogmas Marianos, debater ideias ou qualquer outra coisa do tipo. Só quero falar da minha mãe, da minha amiga! A devoção Mariana inspirada, obviamente pela minha fé católica, vem crescendo e amadurecendo em mim, assim como eu mesma e minha fé estão em processo de amadurecimento. Não vejo para mim caminho de contemplação, de busca da Vontade de Deus que não passe pelas mãos, pelo ventre, pelo testemunho de Maria.

Maria, a minha amiga, para mim é um exemplo sólido e lindo de como ser mulher. Suas virtudes, suas escolhas, sua postura deveriam ser sempre encarados por nós mulheres, como receita de como viver dignamente, de como se comportar, de como servir e testemunhar Deus. Hoje em dia as mulheres têm se desfigurado tanto por tendências, ideias, conceitos... Elas têm se desvalorizado tanto por carências, necessidade de auto-afirmação... É tão triste! E eu olho para Maria e vejo que ela, sim, deveria ser parâmetro, e não tantas coisas que tem sido consideradas características próprias de uma mulher... Mas só essa história já daria outra longa postagem...

Enfim, gostaria de refletir um pouco sobre a presença de Maria nos Evangelhos. Se lermos a Sagrada Escritura, vemos que Maria não aparece muito, e quando aparece, não fica falando muito. Eu acredito que isso se explica pelo fato dela ter entendido plenamente que a sua missão, em momento nenhum, era ser o centro de tudo que estava acontecendo. Ela compreendeu que para ser de Deus, para responder ao seu chamado, ela não precisava ficar chamando atenção para si! 


E em sua simplicidade e humildade, Nossa Senhora continua nos ensinando, a cada trecho da Bíblia. Sempre que ela aparece, ou que se pronuncia, nos ensina uma valiosa lição; lição que aponta para Deus e não para ela. 

Na Anunciação ela nos ensina a dizer sim e a nos abrir à Vontade de Deus: "Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra". Nas bodas de Caná ela nos ensina a termos um coração disposto a ajudar, que se compadece da dificuldade do outro e que pede a Deus auxílio não somente para si, mas para o irmão: "Fazei o que ele vos disser". Quando se perde de Jesus e o encontra somente três dias depois, nos ensina como é sofrido ficar longe de Deus, como devemos procurá-lo sem cessar até encontrá-lo: "Meu filho, que nos fizeste?! Eis que teu pai e eu andávamos à tua procura, cheios de aflição". 

E quantas lições ela também nos ensina com seu silêncio! Maria que guardava tudo em seu coração, não reclamava, brigava ou questionava o plano de Deus, mesmo quando Simeão lhe disse que uma espada de dor lhe transpassaria a alma. Maria que ficou em pé diante da Cruz, vendo o sofrimento de seu filho e contemplando com fé, o sentido de todo aquele plano de salvação do qual ela participava. Maria que aceitou ser mãe da humanidade quando foi para casa com o discípulo que Jesus mais amava. Maria que permaneceu com os discípulos e viu a Igreja missionária nascer porque estava lá em Pentecostes; vendo que o mesmo Espírito que um dia a envolveu com sua sombra, enviava os escolhidos de seu filho a anunciar!

Maria que na história dos filhos de Deus, nunca os abandonou! Que viu a profecia do Magnificat, "Todas as gerações me proclamarão bendita", se tornar realidade a medida que crescia nos corações dos homens o carinho e respeito por ela. Ela a quem a humanidade pode recorrer na simples e profunda oração do terço e tantas outras orações. Ela que tem tantos nomes nos mais diversos lugares para gritar para o mundo que ela roga por todos, sem distinção! Ela que sempre que concede a graça de ser vista, convida-nos a olhar para Deus, convida-nos à oração, conversão e penitência por aqueles que não acreditam.

Como sou feliz por ser sua filha! Como sou feliz por contemplar em sua pequenez e sabedoria um caminho tão certo para a santidade! Como sou feliz por poder contar com a sua intercessão e saber que tudo que te peço, chega ao coração de Deus! Como sou feliz por ter esse exemplo de esperança: Sim é possível ser fiel! Sim é possível viver na Vontade de Deus! Sim é possível manter os olhos fixos no Senhor mesmo nas horas mais difíceis!

Isso tudo a Senhora me ensinou, e tenho certeza que continuará me ensinando e rogando por mim até a hora da minha morte, porque assim a Igreja te pede em oração, e sendo mãe de toda Igreja como não atenderia?  Maria: Minha amiga, minha mãe, minha professora, meu exemplo... Como é bom saber que Deus em Sua infinita bondade e compreensão sobre o coração humano, me permitiu olhar para a Senhora e te chamar de minha. 


"Rogai por nós santa mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém!"


Imagens de::: Basilica of the National Shrine of the Immaculate Conception / Basílica do Santuário Nacional da Imaculada Conceição - EUA

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Aspirações

Achou que era tempo propício para aspirações!

Como quem diz: "e assim seja", pegou uma caneta e um papel, sentou-se e resolveu registrar tudo... Algum tempo depois, menos entusiasmo, mais ansiedade, papel ainda em branco. Mais tempo, papel amassado no chão, semblante preocupado, pernas inquietas. Pouco depois, outra folha de papel, olhar determinado e confiante. Hora depois, medo, feição triste e olhos mareados. Resolveu deixar para o dia seguinte, mas comprometeu-se a não desistir.

Deitou-se, mas não conseguia dormir; somente pensava nas aspirações. Não entendia como conseguia pensar tanto em algo que não sabia o que era. Se pensava nelas, era porque existiam, e se existiam porque não conseguia escrevê-las? Não fazia o menor sentido, ao menos era o que parecia.

Começou a pensar no que tinha, no que era real, no que gostaria de manter. Com as mãos atrás da cabeça, olhava para o teto como se nele estivesse projetado um bom filme, o melhor de todos! Pensava, pensava, pensava e um riso discreto, mas satisfeito podia ser visto em seu rosto. Sentiu-se bem, sentiu-se uma pessoa privilegiada e abençoada!

Resolveu usar daquele "filme" para encontrar suas aspirações, afinal de contas, seria natural aspirar ao que era semelhante ou complementar ao que já era real e bom... Algum tempo depois viu que se enganara mais uma vez. Cochilou, olhou o relógio, ainda madrugada. Tentou voltar a dormir, mas não dava! Por que tinha inventado aquela 'bobagem'? 

Com um certo arrependimento, pensou em outra estratégia, já que dormir não ia mesmo... Começou a pensar no que não tinha, no que não era real e no que não gostaria de manter. Assistiu outro "bom filme" em cartaz naquele teto. No final concluiu, em choque, que ainda não conseguia definir muita coisa e ainda não estava com sono.

Acabou vendo como aquilo que não tinha e que era totalmente diferente da sua realidade parecia extremamente interessante! Achou estranho, porque sabia que amava o que tinha. Além disso, aspirando àquilo que era totalmente diferente, não somente optava por algo que não era complementar, como também colocava em risco o que já tinha. Que loucura!

Como é que abrir mão do que era bom e real poderia parecer atrativo? Não era dessas pessoas imprudentes e ingratas que consideram realidades e relações como coisas descartáveis, pelo menos assim achava. Supondo então que aspirasse ao novo, ao que não era complementar à sua realidade, que ao contrário, modificava tudo; começou outro filme...

Mas esse durou pouco, pouquíssimo, porque não tinha ideia do que imaginar; tudo parecia incerto. Digamos que viu somente a sinopse, e essa despertou-lhe curiosidade. Meio desconfortável, imaginou mais uma vez como aquilo afetava tudo que conhecia, tudo que amava... Concluiu que aspirações podiam ser perigosas! Pensou de novo como eram confusas as coisas a que aspirava, como eram diferentes e, às vezes, até opostas umas às outras...

Já sabia o que fazer! Levantou-se, pegou o papel em branco e escreveu aquilo que já tinha decidido há tempo: "não desistir". Isso sim era grande aspiração! Indicava apenas um passo nesse caminho, que considerando ambos "filmes", certamente não seria movido pela inércia; mas por escolhas, construções e desconstruções, mais passos, saltos, desvios, corridas...

Olhou para o papel e sorriu! Olhou mais uma vez, e o olhar se perdeu na imensidão daquilo que se desenhava; os olhos brilharam com as possibilidades e também com as lágrimas que queriam sair. Mas por enquanto, já havia descoberto uma importante aspiração. Colocou o papel na mesa, voltou para a cama e dormiu rápido dessa vez.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Se eu amasse a Deus

Se eu amasse a Deus tudo seria mais ordenado. Meu silêncio interior existiria, e eu não ouviria tantos apelos que minha carne grita, reivindica, exige.

Se eu amasse a Deus perceberia o Amor perfeito que Ele tem por mim. Não ficaria esperando o amor do outro, a aceitação do outro, o elogio do outro. Nesse contínuo processo de busca que não encontro, de sede que não sacio.

Se eu amasse a Deus não seria tão difícil imaginar minha vida sem as coisas que eu tenho certeza que roubam-me Dele. Não seria tão sofrido desprender-me do ócio, daquilo que mata o tempo.

Se eu amasse a Deus, não amaria tanto outras coisas, não me importaria tanto com o que perco, com o que ganho. Eu veria em tudo a destra poderosa que não desampara, o consolo que não falta, a sabedoria que conduz.

Se eu amasse a Deus não transformaria meus relacionamentos em idolatria, não me tornaria dependente dos outros. Não os colocaria na frente Dele. Não colocaria tanta pressão, expectativa e responsabilidade naqueles que não podem chegar nem perto do que eu preciso.

Se eu amasse a Deus não tentaria tantas vezes ser senhora do tempo. Não me agarraria tanto ao passado, não me preocuparia tanto com o futuro, não lamentaria o presente. Se deixasse que Ele fosse senhor do meu tempo, as horas, os dias, os anos, teriam muito mais suavidade e sentido.

Se eu amasse a Deus me ocuparia mais com a nossa relação de intimidade. Não encontraria tanta dificuldade em estar a sós com Ele. Teria muito a dizer e muito a ouvir. Meu silêncio seria mais fecundo, minha contemplação seria mais bela, minhas palavras seriam mais precisas.

Se eu amasse a Deus não seria refém dos meus vícios. Não acharia tudo normal, não criaria desculpas para os pecados que não consigo vencer. Não acharia o certo radical demais. Não seria fácil fazer o que é errado. Não me acharia certa por fazer um pouco, porque tantos fazem nada. Meu esforço seria por fazer cada vez mais, exatamente porque tantos fazem nada. Seria penoso desagradar o meu Amado. 

Se eu amasse a Deus minha conduta de vida faria com que aqueles que não tem fé se questionassem. Não seriam necessárias tantas palavras e argumentos para convencer. Minha coerência seria contagiante, minha alegria sairia pelos poros, meu testemunho, de fato, arrastaria.

Se eu amasse a Deus me conheceria melhor. Pararia de tentar a minha fraqueza caindo nas armadilhas que eu mesma crio para mim. Reconheceria minha vaidade e meu orgulho, e deixaria que o Senhor reinasse sobre eles. Saberia minha identidade ontológica, não me faria um personagem.

Se eu amasse a Deus saberia diferenciar realidade e fantasia. Minhas decisões não seriam fuga, minhas ações não seriam desmedidas, e meu dinamismo seria inspirado. Não seria estagnada, não me perderia em devaneios, não me perderia em criações da imaginação.

Mas ao cair da noite, percebo que o brado de São Francisco é para mim: "O Amor não é amado". E nessa quase denúncia, me vejo criminosa. Mas o brado que ecoa em meus ouvidos não acusa, porque não vem da justiça humana. Ele, ao contrário, convida à mudança porque é divino.

E no início de mais um dia, pergunto então a Deus: Que misericórdia é essa que chega até a doer? Que Amor é esse que não cansa de esperar? Que paciência é essa que tudo suporta? Que misericórdia é essa? Que misericórdia é essa?

E constrangida, pequena e desorientada, concluo que bom mesmo seria, se eu Te amasse.

Tatiane Rodrigues

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Arrumar a mala


Já faz um tempo que tristemente concluí que sou adepta da arte da procrastinação... Uma das provas disso é a data da última postagem desse blog... Nem vou calcular quanto tempo faz.


Uma das coisas mais difíceis de superar quando passo muito tempo sem atualizar aqui é decidir sobre o que escrever. E eu poderia dar uma de pensadora e dizer que isso se deve ao fato de eu ter 'muitas coisas' na minha cabeça... Mas cá entre nós, não é o caso! E nem vou tentar justificar, vamos ao que interessa.

Arrumando a mala! Era isso que eu deveria estar fazendo agora... 

E então, da arte da procrastinação, da necessidade de arrumar minha mala e da reflexão relâmpago que esse fato ocasionou, nascerá essa postagem. Na esperança que minha analogia chegue à algum lugar e que sirva para a reflexão de alguém por aí.


A maioria das pessoas que eu conheço tem preguiça de arrumar malas! Não que eu tenha feito uma pesquisa a respeito... É que quando se trata disso, sempre ouço comentários do tipo: "Nossa, e eu nem arrumei minha mala ainda." E a expressão 'preciso arrumar minha mala' vem acompanhada daquele longo suspiro de descontentamento. 

Será que termos dificuldade, preguiça, ou seja lá o que for, para fazer isso que aparentemente é tão simples, deve-se ao fato dessa 'mala' representar, indiretamente, muito mais? 

Para arrumar uma mala precisamos decidir o que levar e o que deixar. Precisamos saber o valor e importância das coisas. Precisamos pensar, considerar e antecipar algumas possíveis situações, algumas que estão sob nosso controle, e outras coisas fora dele.   

Não temos receio de levar mais ou menos do que o necessário? Não temos aquela sensação de sempre estar esquecendo alguma coisa? Não temos aquela vontade de levar mais? Aquela vontade de que certas coisas ocupassem menos espaço?


Não sei vocês, mas quantas vezes segurei algo nas mãos, sabendo que seria muito melhor não levar, mas desejando encontrar um cantinho, um lugarzinho escondido para não precisar deixar aquilo... E por falar em esconder, será que todo mundo tem aquelas 'coisas' que são muito pessoais, ou que causam até certa 'vergonha' de estar carregando por aí, e que acaba deixando escondido no fundo da mala? E pensa: se alguém abrir minha mala, não quero que veja isso... Ou talvez nem pense! Talvez seja um sentimento inconsciente...

Outro ponto é que ninguém arruma a mala porque quer! Arruma porque precisa, porque existe um propósito, um lugar para ir, um compromisso a cumprir, alguém para ver, uma aventura pela frente... Ninguém acorda um dia e sem motivos diz: "Hoje vou arrumar minha mala"! Sempre tem uma motivação, uma finalidade. Sabemos que a maioria dos seres humanos, se pudessem escolher entre 'tenho que fazer' e 'quero fazer', escolheria o 'quero fazer'. E a 'mala' é assim... Você 'tem que fazer', talvez a finalidade seja algo muito desejado, mas ela é parte do processo daquilo que não tem muito como escolher. 

Obviamente existem as pessoas super desencanadas, que não estão nem aí para o que levar e o que deixar. Aquelas que simplesmente jogam algumas coisas aleatórias ali dentro, calculam de maneira superficial, prática e automática o que precisam... Maravilha! Porém me pergunto se elas vão estar prontas para as ocasiões que virão. 


Existem inúmeras maneiras de arrumar uma mala. Pode ser desse jeito que acabei de citar, pode ser aquela mala que nem fecha direito de tanta coisa que tem dentro, e essas são difíceis de carregar! Tem aquela arrumadinha, aquela bagunçada mas que tem o que é preciso. Mas será que tem algum 'jeito certo' de arrumar? Essa pergunta poderia ocasionar respostas bem controversas, mas 'jeito certo', acho que não tem... Afinal de contas, o lugar ou a situação que causou a tal 'arrumação' pode estar recheado de surpresas, imprevistos e mudanças de planos... Vai saber!

O que sei é que é hora de parar de procrastinar e de arrumar essa mala!

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Simples Resposta


O dia estava bonito e sentar de frente para o mar era agradável. Estavam as duas ali, conversavam, se calavam e olhavam o mar... Tudo fluía naturalmente entre as amigas.


Foi quando falavam de algumas experiências divertidas e memoráveis do passado que a suavidade do momento se quebrou. Uma perguntou:
- Mas então, o que você quer de agora em diante?

A outra ficou admiravelmente mais perturbada do que deveria com a pergunta... Pensou:
- Queria uma manhã de sol reluzente, uma tarde de brisa suave, um anoitecer de céu colorido e de clima agradável. Queria a lua grande e brilhante na noite de negro misterioso e infinito. Queria o que é belo... mas belo no sentido mais nobre e profundo da palavra, não essa convenção física superficial. Queria ver o mundo, nas suas diferentes faces, jeitos, cores e aromas... ver as peças que formam o todo e apreciar quão especial e único cada lugar e cada um é. Queria ficar, aproveitar tudo, aprender, viver. Queria voltar, rever, mudar o final, fazer melhor. Queria o riso fácil, a gargalhada gostosa, o sentimento sincero, o abraço apertado, a companhia agradável. Queria prosperar, fazer a diferença, dar exemplo, levar esperança, ser do bem, mudar o mundo talvez... Queria amar, sem medo de ser feliz, sem medo de se machucar, sem reservas. Queria o que dura, o que se nutre, o que cresce, o que é escolha livre. Queria música, a melodia mais linda, a voz mais doce, a letra que refletia a alma, o ritmo que embalava o mais profundo do ser. Queria uma história que tivesse sentido, uma trajetória de significado, que gerasse fruto... e que o fruto permanecesse. Queria viver, celebrar a vida, aproveitar a vida, gerar vida. Queria o seguro, a certeza, a verdade. Queria o êxtase, a emoção, a surpresa. Queria o brilho no olhar, o coração disparado, o peito ofegante, o suspiro, a lágrima de alegria. Queria o que é eterno, verdadeiro, ordinariamente especial, útil, educativo, progressivamente melhor. Queria o perfeito e ideal?

Uma perguntou novamente:
- E então, o que?

A outra suspirou e respondeu o que pareceu ser aceitável. Aquilo que todo mundo diz, sobre o básico que todos parecem almejar. Nada parecido com aqueles rápidos segundos de infinito querer.

Uma ouviu e disse:
- Sei o que você quer dizer... Vai dar tudo certo.
- É vamos ver - respondeu a outra.

Depois de algum tempo, uma perguntou com um sorriso estranho:
- O mar não parece mais misterioso e poético hoje?

A outra riu também, um riso ainda mais estranho:
- Muito! Talvez mais do que deveria...

sexta-feira, 20 de julho de 2012

"It will rain" de Bruno Mars e o Melodrama

Esse post está muito atrasado! Muito mesmo! Acho que faz meses que a ideia de escrever sobre esse assunto está na minha cabeça...

Tudo isso porque não aguento mais ouvir a música "It will rain" do Bruno Mars!!! E quando digo que não aguento mais é no sentido mais real a pleno da palavra! Chegou em um ponto que eu já reconheço o primeiro "ruído" que a música emite e rapidamente mudo a estação de rádio... Mas a música é tão pentelha que já cheguei ao desprazer de te-lá simultaneamente em duas estações! O que fazer? Gritar e sair correndo? Desistir de ouvir rádio?

Nada disso! Resolvi escrever sobre isso no blog ;)

Por que a música me irrita?

A princípio eu até simpatizava com a canção, quer dizer, ela me passava despercebida... Era do tipo, ah deixa tocar!

Bruno Mars não está no meu playlist, mas não tenho nada contra o cara. Até acho legal umas duas ou três músicas dele.

O problema começou quando vi que a música estava totalmente bombando pelo fato de ser trilha sonora da Saga Crepúsculo... Já comecei a desconfiar e me incomodar! Depois comecei a prestar atenção na letra... Aí não minha gente! Não deu mais para aguentar!

Para mais afirmar meu ponto, quero traduzir e comentar a letra da tal canção:

If you ever leave me, baby
Leave some morphine at my door
Cause it would take a whole lot of medication
To realize what we used to have
We don't have it anymore.

Se um dia você me deixar querida
Deixe morfina na minha porta
Porque vai ser preciso MUITA medicação para entender que o que tínhamos
não temos mais.

Já começa dando um soco no estômago! Morfina?!?!? Muita medicação?!?!? Espera aí! A pessoa está sugerindo que vai precisar de "morfina" para aguentar a DOR da separação! Ahhhhhhh por favor! Imagine você querido leitor, o que a sugestão dessa fossa melodramática regada à substâncias entorpecentes pode gerar na cabecinha das pessoas desavisadas (ou alguns fãs de Crepúsculo)? Então é assim, o cara ou a menina termina o relacionamento e o outro, fica a mercê de uma dor insuperável por vias naturais! Soca morfina nele/nela! Para!!!!!!

There's no religion that could save me
No matter how long my knees are on the floor
So keep in mind all the sacrifices I'm making
To keep you by my side and keep you from walking out the door.

Não há religião que possa me salvar
Não importa quanto tempo eu ficar ajoelhado
Então pense em todos os sacrifícios que estou fazendo 
Para manter-te ao meu lado e não te deixar ir embora.

Agora colocou religião no meio! Quer dizer, afirma-se aí uma ausência de crença que possa tornar possível a superação de uma 'crise'. Não há fé, não há mais nada... Apenas uma obsessão pela mulher/homem por quem se faz 'sacrifícios' para manter por perto... Que triste! Acho que vou chorar ='(

Cause there'll be no sunlight if I lose you, baby
There'll be no clear skies if I lose you, baby
Just like the clouds,my eyes will do the same 
If you walk away everyday, it will rain, rain, rain

Porque não vai haver luz do sol se eu te perder, querida
Não haverá céu claro se eu te perder, querida
Assim como as nuvens meus olhos farão o mesmo
Se você for embora todo dia vai chover, chover, chover

Chegamos ao fantástico refrão! Olha isso!!! Que comparação "linda" que é feita da chuva com as lágrimas! ... Por favor! Brega ficou pequeno! Esse refrão me lembra uma música da Fafá de Belém::: "há uma nuvem de lágrimas sobre os meus olhos
dizendo pra mim que você foi embora e que não demora meu pranto rolar..."

Mesma coisa! E esse povo ouvindo e achando tudo muito cool, original e atual!

I'll never be your mother's favorite
Your daddy can't even look me in the eye
If I were in their shoes, I'd be doing the same thing
Saying: "there goes my little girl walking with that troublesome guy"

Nunca serei o preferido da sua mãe
Seu papai nem me olha nos olhos
Mas se eu estivesse no lugar deles eu faria o mesmo
Dizendo: "aí se vai minha garotinha, andando com aquele cara suspeito"

Agora vemos que a "linda" história de amor não tem a aprovação da família! O que nos sugere ser algo relacionado à pessoas bem jovens (mais uma vez o efeito 'Crepúsculo'). Mas o cara parece ser realista sobre o fato, dizendo que entende os pais da menina e até admite que ele não é grande coisa... Mas vai vendo o que vem a seguir!

But they're just afraid of something they can't understand
Well little darling watch me change their minds
Yeah for you I'll try, I'll try, I'll try, I'll try
I'll pick up these broken pieces 'til I'm bleeding if that'll make it right

Mas eles só estão com medo de algo que eles não podem entender
Minha queridinha veja como eu vou fazê-los mudar de ideia
Sim! Por você eu vou tentar, tentar, tentar, tentar
Vou juntar esses cacos até eu sangrar se isso for melhorar as coisas

Quer dizer... primeiro diz que se estivesse no lugar dos pais, faria a mesma coisa! Depois puxa o tapeta da família e diz que eles estão errados! Errados porque estão com medo do que eles não podem entender! Errados e ignorantes por não enxergar o valor tão profundo e puro de um amor que supera toda manifestação de religião e fé ... E que quando acaba (se é que é possível acabar algo tão grandioso) deixa a pessoa arrasada e na dependência de medicamentos para superar a perda... Desculpa, mas quem é ignorante nessa história mesmo!?

Paro por aqui o comentário dessa letra, porque daí por diante são repetições do refrão e etc...

Queria dizer que eu sou sim uma pessoa sensível e romântica (rs)... Mas essa história de vou morrer por causa do cara ou da menina não dá! Sim, a gente sofre e tudo mais, eu sei que sofre! Mas nossa felicidade não pode estar centrada no outro! Não!

Eu me irrito de verdade, porque parece que cada vez mais os relacionamentos carecem de maturidade e respeito! Sugerir, sobretudo a um público jovem (que até se 'apaixona' por vampiros), que o amor é essa coisa dramática, doente, obsessiva; e que qualquer um que tenta alertar sobre os riscos disso tudo é porque não entende o que está acontecendo, é super disfuncional, distorcido e perigoso!

Você pode dizer que estou exagerando e tudo mais... Mas pergunto: de onde vem essa dificuldade de relacionamentos saudáveis, senão dessas opiniões e exemplos estampados por aí?

Não precisamos de relacionamentos que nos deixam aos pedaços e inclinados à necessidade de qualquer tipo de "mofinas". Não precisamos de pessoas nos dizendo para desconsiderar a opinião de nossos pais, família e pessoas que nos amam. Não precisamos de sentimentos obsessivos que nos alienam de tal forma que pensamos que absolutamente mais NADA importa em nossa vida. Não precisamos de amor que aprisiona ao invés de nos tornar mais felizes e livres.

Enfim! Eu vou continuar mudando de estação quando "It will rain" começar a tocar no rádio. E vou continuar torcendo para que as pessoas que gostam da música não resolvam, de forma alguma, adotar a filosofia que ela carrega.

No fim das contas se me perguntassem, ainda acho a "Nuvem de Lágrimas" da Fafá de Belém mais interessante (rs)! Pelo menos todo mundo sabe que é brega, ela não vem maquiada de 'cool' e não sugere o uso de entorpecentes como fuga da dor...

É isso! Tchau!

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Aquilo que continua

A gente caminha, pensa, olha, sente, planeja, imagina, deseja... Foi uma tarde de fim de semana. Dia lindo! Céu azul, sol gostoso, paisagens lindas.

Muita gente! Turistas, moradores, gente correndo, gente fotografando, gente fazendo piquenique, gente andando de mãos dadas, gente deitada na grama, gente trabalhando, gente sendo família, gente passeando, descansando... Muita gente, mas ninguém!

Nesse cenário agradável de uma cidade conhecida pela sua beleza cultural e arquitetônica andava, andava com toda a gente e com ninguém. Caminhava para passar o tempo, para se divertir, para ver todo o bonito que se tinha para ver, andava olhando tudo e todos, mas de certa forma, não enxergava ninguém. O olhar que percorria as ruas e lugares olhava mais para dentro do que para fora. O olhar que via o sol brilhar através das lentes da câmera ou dos óculos, tentava iluminar seu interior sempre em busca de respostas, em busca do caminho, não o caminho que percorria agora, mas o caminho que deveria percorrer.

Por horas esteve aqui e lá e aqui outra vez. Parando de quando em quando, mas não para descansar, porque não importava o quando andava, não sentia cansaço. Parava para gravar o que via, numa maneira de eternizar o momento, a beleza, a imagem, o sentimento.
Sempre buscava em um rosto que não conhecia uma chance. Chance do que não sabia, mas continuava buscando. Imaginava ter uma daquelas conversas empolgantes, interessantes, filosóficas, divertidas, inteligentes. Viver o que imaginava, mesmo sabendo que o imaginário nunca acontecia! Não se frustrava, simplesmente mantinha uma ingênua esperança e um riso sincero e meio contido no rosto. Perguntava-se se sentia falta da tal interação humana, porém não sabia responder definitivamente, ora achava que sim, ora achava que não! Afinal o momento estava tão bom que mais nada importava.

Enfim constatou que de certa forma interagia com uma infinidade de gente e sentimentos... Tudo por causa das músicas que ouvia... A música adicionava a todos os elementos uma trilha sonora que nem sempre parecia apropriada ao que se via fora, mas dialogava com o que se via dentro. Conversou com alguém que falava das nuvens que pareciam cantar e dançar e que encantavam com suas formas, conversou com alguém que falava de amor, amor que se perdeu, amor que aconteceu, amor que se nutria. Conversou ainda com alguém que falava de fé, alguém que falava do que é estar sozinho, alguém que dizia querer se encontrar, alguém que estava arrependido, alguém que não se importava, alguém que exalava rebeldia, alguém que confundia valores, alguém que falava de silêncio, alguém que gritava sua mensagem. E conversou muito! Conversou com o que estava dentro! E mesmo que a imaginação ainda traçasse ideais para o que estava fora, aceitou que aquela tarde havia sido para o de dentro.

Amizade, amor, paixão, turismo, descanso, família, trabalho, aprendizado... imagem, cheiro, som... Em tudo e em todos, uma pista do seu próprio caminho, um caminho do seu próprio objetivo, um objetivo de sua própria existência... A música continua, toda a gente continua, a voz de dentro continua, a conversa em silêncio continua.